Mostrando postagens com marcador Ernst Jünger. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Ernst Jünger. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 6 de maio de 2015

O que me prende

"(...) as imagens não me faltam, mesmo nos sonhos normais. Mas destas só retenho as que notei imediatamente. A matéria dos sonhos, o grão das imagens, é sensível à luz;e essas notas correspondem à fixação da película na câmara escura. Apenas um fragmento ínfimo do mundo dos sonhos emerge na consciência e mesmo esse desaparece num abrir e fechar de olhos, se não o apanhamos de pronto."

"Portanto não é de imagens, semelhantes às que arrebataram e apavoraram de Quincey, que me recordo. Apenas a sua placenta tenho presente: o solo onde germinam e crescem. A mudança das imagens é precedida das mutações do espírito e da sua receptividade. Primeiro, é preciso criar o vazio, como acontece com qualquer quadro, filme ou manuscrito, que começa sempre por uma superfície branca. Há que neutralizar o tempo. Este leve impulso, desprovido de qualidade, era agradável. De vez em quando, campainhas discretas interrompiam-no, como que para alertar a atenção."

Drogas, Embriaguez e Outros Temas, Ernst Jünger